O sucesso de A. Lusitanicus, a primeira web série de humor sobre a História de Portugal, foi imediato e já está a caminho uma segunda temporada, com estreia prevista para 13 de maio. O formato irreverente vai também passar para o pequeno ecrã, mas o canal ainda está no segredo dos deuses.

Sofia Baessa, de 37 anos, integra o elenco deste projeto depois de uma carreira de 20 anos dedicada à moda. 

VIP – Estreou-se na representação de forma bastante original. Como surgiu a oportunidade de integrar o elenco de A. Lusitanicus?
Sofia Baessa – Foi um convite do Duarte Neves e da sua equipa e eu aceitei de imediato, porque é algo que eu queria; quero fazer comédia, gosto muito. Mas a comédia também é um mundo difícil, não é fácil agradar a todo. Fazer rir é um bocado pessoal.

E de onde vem a vontade de querer representar? A sua carreira foi ligada à moda.
Quem me conhece sabe que eu sempre fui palhaça, sempre gostei muito de comédia e de desmontar o “boneco”. Sempre tive curiosidade de um dia poder entrar neste mundo da comédia e este projeto foi a oportunidade para isso.

Sei que gosta de teatro de revista.
Adoro! Adorava que a revista voltasse aos seus tempos gloriosos, acho que éramos muito bons e deixámos essa arte cair em desuso. Penso que devíamos recuperá-la, principalmente, agora que estamos com esta crise social. Há tantas coisas em que podemos pegar para fazer rir e satirizar.

A sua personagem é a Boazona. Fale-me um pouco sobre ela.
O nome não temo a ver com o que ela faz ou com a personagem. Ela é dura, uma guerreira, é má…

Quebra um estereótipo?
Exatamente, porque a Boazona não tem peito (risos)! É mesmo ir contra o estereótipo das boazonas que estamos habituados a ver. É rude, tem a sua alcatra e anda ali sempre pronta para bater neles todos na aldeia. Não é princesa.

Está com 37 anos. A maternidade é um sonho para si?
A maternidade nunca foi um sonho, pode ser que aconteça ou não. Não penso muito nisso para também não ficar bloqueada: "Agora tenho de ter um filho e se eu não tiver?"

Como tem sobrinhos e é bastante apegada a eles… Podia ser que despertasse esse desejo.
Pode ser que sim, pode ser que não. Gostava de ter filhos, mas se não acontecer não aconteceu

Leia a entrevista completa na edição número 877 da revista VIP

Texto: Helena Magna Costa; Fotos: Luís Baltazar; Produção: Manuel Medeiro;
Maquilhagem e cabelos: Vanda Pimentel com produtos Maybelline e L'Oréal Professionnel

Siga a Revista VIP no Instagram