Fátima Vilela
"Para sermos um país perfeito, falta-nos um bom líder"

Nacional

Empresária responde à rubrica "Se Eu Mandasse..."

Qua, 16/07/2014 - 00:00

1- Se fosse realmente São Pedro a decidir as estações do ano, o que  lhe diria para o convencer a termos o verão de uma vez por todas?

Meu querido S. Pedro, por favor vê se te decides de vez e concede-nos um céu azul, um sol brilhante e um calorzito para animar… estamos todos a precisar. Para cinzento, bastam as indecisões políticas a que estamos sujeitos. Precisamos tanto… do calor, claro!

 

2- Se fosse treinadora da Seleção brasileira, o que diria à equipa após a derrota com a Alemanha?

Diria que ganhar e perder faz parte das competições. Assim será sempre… Vamos erguer as cabeças (pensantes, claro) e seguir em frente. Daqui a quatro anos há mais e aí... “Até os comemos, caramba!”

 

3- Se fosse obrigada a emigrar, que país escolheria?

Não hesitaria em escolher o Brasil, país que amo de paixão. É um lugar com que me identifico em quase todos os aspectos: cultura, gastronomia, boa disposição. Quando lá estou, não me sinto outsider, sinto-me belonger. Costumo dizer que, noutra encarnação, devo ter sido brasileira…

 

4- Que três peças essenciais levaria na sua mala durante uma estada fora do País? 

Levaria um bom livro, claro!, porque é sempre gratificante poder contar com uma boa história para ajudar a passar o tempo; um Mp3 com músicas das quais eu soubesse as letras porque adoro cantar, apesar de não saber… E o meu telemóvel porque, embora eu goste de ficar out of  the air, não prescindo de ter notícias da minha família mais chegada: marido, filhos e agora também da minha netinha.

 

5- O que falta a Portugal para ser um país perfeito?

Portugal é lindo e eu sou do mais patriota que há: tudo o que é português é bom! Contudo, para sermos um país perfeito, falta-nos um bom líder, alguém que mostre que vale a pena ser português. Infelizmente, não reconheço carácter de liderança a nenhum dos nossos dirigentes políticos… Isso é muito triste e assustador.

 

6- É conhecido o seu gosto pela escrita. Que livro deveria estar na mesa-de-cabeceira de toda a gente?

Todos deveriam ter a Bíblia como livro de cabeceira. Eu tenho e sempre encontro resposta para as perguntas com que, por vezes, o meu coração se debate. Está Lá tudo. 

 

7- Agora que é avó, se tivesse voz ativa na Assembleia, de que forma convencia o atual Governo a criar planos de incentivo à natalidade? 

Aconselhava o Governo a implementar subsídios para suporte à educação das crianças; criar mais escolas e creches gratuitas; reduzir os impostos a quem decidisse ter mais que dois filhos... haverá ainda muito mais a enumerar, que agora não me ocorre.

 

8- É uma das presenças assíduas no evento VIP Elegantes. Se este prémio fosse atribuído a personalidades internacionais, homens e mulheres, quem escolheria? 

A mulher seria Merryl Streep, porque, para mim, ela é a personificação da elegância tal como eu a entendo: de dentro para fora. Além de ser uma excelente atriz, vestindo na perfeição a pele de qualquer personagem, é ainda uma mulher inteligente, culta e, acima de tudo, humilde na sua forma de estar na vida. Quanto ao elemento masculino, escolheria o Barack Obama. É distinto, tem forçosamente que ser inteligente, para ter chegado onde está, e parece ter humildade q.b..

 

9- Costuma frequentar várias festas do panorama nacional. Como seria, para si, a festa perfeita? 

Adoro festas! Sou a festa em pessoa, eheheheh… Para mim, qualquer festa é perfeita, desde que eu me sinta em casa e seja recebida em paridade, sem superioridades nem manias, com delicadeza e com a certeza de que quem me convida aprecia a minha presença. Se for uma festa organizada por mim… melhor!

Texto: Micaela Neves; Foto: Impala

Siga a Revista VIP no Instagram