Carla Chambel
"Para já desfruto dos pontapés"

Famosos

A meio da viagem da maternidade
Aos cinco meses de gestação, a actriz ainda não se preocupa com o momento do parto.

Qua, 21/01/2009 - 00:00

A cerca de quatro meses de ser mãe, a actriz desfruta em pleno a primeira gravidez. Carla Chambel contou à VIP que o seu estado é irresistível, até para os desconhecidos, que na rua lhe acariciam a barriga. "Às vezes, acontece! Não levo a mal. Continua a ser algo que sensibiliza as pessoas. Talvez seja uma das formas que a Natureza arranjou para nos aproximar humanamente, sem barreiras, sem preconceitos", disse, revelando que se sente "mais bonita, mais plena. A partir do momento que sorriem os olhos, tudo o resto acompanha essa expressão feliz".

Como tem corrido a gravidez?
Muito tranquila. Com os cuidados normais.

Foi planeada?
Sem pensar em datas certas, porque isso é impossível de prever, esta gravidez aconteceu na melhor altura. Os primeiros tês meses, mais delicados, decorreram durante um período mais calmo de trabalho e coincidiram com as minhas férias. Depois o espectáculo Xerazade Não Está Só, que já estava previsto acontecer, permitiu-me, tanto a nível de datas como a nível da personagem em si, conciliar tudo sem problemas.

Qual foi a sua reacção quando viu o teste positivo?
Um sorriso.

Sente que está a viver um momento muito especial?
Sinto que ter um ser a desenvolver-se dentro do meu ventre, por mais natural que isso seja, é qualquer coisa de mágico. É, de facto, um milagre da natureza esta forma que ela arranjou de se renovar e de perpetuar a espécie. Calhou a sorte ao género feminino experienciar, de dentro para fora, a beleza deste momento. Se tudo correr bem com a gravidez significa que, daqui em diante, serei mãe para o resto da minha vida e isso é um marco. Passa a haver um antes e um depois. É inevitável.

Sente-se mais bonita?
Com a gravidez o corpo muda, há alterações profundas: físicas, hormonais, psicológicas. Há mais uns quilinhos, o nosso humor altera-se, passamos a ter novas prioridades. Apesar de toda esta revolução, a felicidade deste momento, partilhado em plenitude com a minha família, faz-me sentir mais bonita, mais plena. A partir do momento em que os olhos sorriem, tudo o resto acompanha essa expressão feliz.

A barriga de uma grávida (seja ela quem for) é naturalmente irresistível. Na rua tocam a sua barriga?
Às vezes, acontece! Não levo a mal. Continua a ser algo que sensibiliza as pessoas. Talvez seja uma das formas que a Natureza arranjou para nos aproximar humanamente, sem barreiras, sem preconceitos. Os conhecidos e os desconhecidos.

O pré-papá está muito apaixonado pela barriga?
Este momento está a ser vivido em plena comunhão. Não comento por ele.

Pensa no parto?
Em traços gerais, sim, mas tenho tentado pensar nas coisas por etapas. Tento desfrutar ao máximo cada uma delas, sem ansiar demasiado a próxima. Como ainda estou a meio da viagem, para já, desfruto dos pontapés.

Sabe que vai ter um rapaz. Já tem lista de possíveis nomes?
Sim. Está em conferência familiar.

Como está a família a acompanhar a gravidez?
Da forma mais perfeita possível. Sou uma grávida bastante mimada e cuidada. Penso que é uma das condições fundamentais para a gravidez estar a correr com tanta tranquilidade. Tenho muita sorte.

Limitou muito a sua vida profissional?
A partir do momento que soube que estava grávida decidi que tinha que baixar o meu ritmo do dia-a-dia. Claro que isso me obrigou a rever a minha estratégia profissional, naturalmente em conjunto com a minha agência, a Central Models. De qualquer forma, independentemente da gravidez, já tinha acordado fazer o espectáculo, o que foi de encontro às nossas opções, de voltar ao teatro e diminuir um pouco a presença na televisão. Ainda assim, têm surgido pequenas participações que não têm colidido com o meu estado e que se resumem a um ou dois dias de trabalho. Resta-me ainda algum tempo para descansar, passear e estar com a minha família e amigos.


MIMOS E MARIONETAS

Fale-me do teatro de marionetas...
O espectáculo Xerazade Não Está Só está integrado num festival promovido pela Artemrede, A Festa da Marioneta, que está a decorrer desde Outubro e até meados de Dezembro, nos palcos dos vários cine-teatros e auditórios das câmaras associadas, dos distritos de Santarém, Leiria, Lisboa e Setúbal.  O espectáculo representa um desafio lançado às companhias Lua Cheia Teatro para Todos e Teatro e Marionetas de Mandrágora para que criassem um entretenimento que servisse de inspiração a todos os públicos: dos mais jovens aos adultos. Eu interpreto o papel de Xerazade, num texto de António Torrado a partir das "1001 Noites", tendo como fundo musical trechos da Xerazade de Rimsky-Korsakov [1844-1908], no centenário da morte do grande compositor russo. Duas jovens refugiam-se num improvisado abrigo anti-aéreo, algures, numa cidade não identificada do Médio-Oriente. São irmãs e sabem que têm a vida em perigo pela vontade caprichosa dos que lutam por tomar a cidade. Para vencer o medo e o tempo, Xerazade, a mais velha, conta à irmã histórias maravilhosas, quando todas as aventuras da fantasia eram possíveis. Concentradas nas viagens de Sindbad, o Marinheiro, esquecem onde estão. O abrigo transfigura-se. As marionetas ganham vida humana e contam elas a história. Está a ser uma experiência fantástica não só pelo trabalho específico de manipulação das marionetas como também o facto do espectáculo estar descentralizado de Lisboa permitindo chegar a novos públicos. Tem sido muito bem recebido e as salas têm estado bem compostas. O público tem vontade de ver coisas diferentes.
 
Até quando pensa continuar activa?
Bom, para já, os espectáculos estão agendados até meados de Dezembro, o tempo que ambas as partes acordaram que seria possível cumprir, dado o meu estado. Continuo a conciliar com as locuções de publicidade que espero poder fazer até ser praticável. Outras propostas, avaliarei com a minha agência, mas penso que a partir de Janeiro vou reduzir bastante a minha actividade.
 
Sente que é mais mimada, quer no trabalho, quer pela família e amigos?
Sim, no espectáculo os meus colegas têm sido bastante atenciosos e houve sempre, tanto por parte do Artemrede como da encenadora Maria João Trindade, uma preocupação com a necessidade de maior descanso, conciliação com as consultas, disponibilizando os meios necessários para que isso acontecesse. Os estúdios e produtoras com quem trabalho têm também flexibilizado os meus horários. A minha família tem-me apoiado bastante na conciliação da gravidez com o meu trabalho, nomeadamente nas viagens, refeições, etc. E os amigos, os mesmos de sempre, continuam presentes. Todos me ofereceram ajuda para o que fosse preciso e isso é reconfortante: sabermos que não estamos sós nesta aventura.

Está ansiosa para ver a carinha do seu bebé?
Estou antes curiosa...
 
Depois do parto, pensa ficar o máximo de tempo em casa para lhe dar toda a atenção necessária?
Sim. Preparei-me para isso, financeiramente também. De qualquer forma, como adoro trabalhar, se aparecerem propostas avaliarei a possibilidade de as concretizar. Sabendo, no entanto, que nos primeiros meses o bebé será a minha prioridade.
 
Já tem muitas peças de enxoval?
Algumas que tenho recebido da família, dos amigos, dos colegas. Eu confesso que ainda me tenho travado nas compras, até porque ele vai nascer perto da Primavera e a colecção disponível é a de Outono/Inverno. Entretanto, vai chegar o Natal e será natural que as pessoas ofereçam coisas para o bebé. Portanto, logo verei o que falta.

CRISE E NATAL

Preocupa-a a situação económica que o País vive?
Com certeza. A facilidade de acesso ao crédito iludiu bastante os consumidores que se endividaram além das suas possibilidades. Observo à minha volta e vejo que os casais de trinta anos querem comprar a casa que os nossos pais só conseguiram ter aos cinquenta. Queremos ter tudo cada vez mais rápido e mais cedo e isso tem um preço. De alguma forma os meus pais passaram-me sempre a consciência do valor do dinheiro e talvez por ter começado a trabalhar cedo aprendi a gerir o meu dinheiro ou a falta dele sem grandes ansiedades.
 
Já sentiu a crise?
Naturalmente. O preço dos combustíveis foi o primeiro sintoma. Cada semana que ia abastecer o carro irritava-me com a subida do preço, acompanhado ainda por cima de notícias de lucros estrondosos das grandes petrolíferas. Durante o mês que ensaiei em Setúbal preferi tirar o passe e viajar de comboio. É uma viagem bastante agradável e muito mais barata. No centro de Lisboa opto por andar de metro. Depois, os juros do crédito de habitação foram outro dos sintomas. Felizmente, o crédito que contrai está bem dentro dos meus limites e nunca chegou a ser uma situação crítica, mas deu para perceber o quanto custa o dinheiro.
 
É poupadinha?
Sim. Considero que faço uma gestão equilibrada das minhas economias.
 
Já começou a fazer as compras de Natal?
Não. Quer dizer... comprei papel de embrulho. Gosto de personalizar aquilo que ofereço.
 
Este vai ser completamente diferente...
Não difere no que respeita à família reunida. Desde pequena que vivo os Natais com bastante alegria e partilha familiar. Este ano há uma excitação acrescida com a futura chegada do bebé. Tenho consciência de que, a partir deste ano, deixarei de ser a menina da família que recebe as lembranças. É bom sinal, é sinal que crescemos e damos lugar àqueles que são a alegria dos nossos olhos.
 
Como eram os natais da sua infância?
Muito parecidos com os de agora. Temos a tradição de fazer as filhós em sistema de cadeia: um estende a massa, outro corta, outro frita, outro põe a canela e o açúcar. Até temos um provador. É sempre uma paródia. Na altura ainda tinha os meus avós, ia apanhar o musgo com o meu avô para fazer o presépio. No fundo, o espírito mantém-se.
 
É uma quadra da qual gosta especialmente?
Gosto pelo espírito. Até gosto de comprar os presentes. Mas confesso que me aborrece o excesso de bombardeamento publicitário a incitar ao consumo. Gosto também de enviar cartões de Natal. Continuo a escrevê-los porque acho bonito manter a tradição. Envio geralmente para as pessoas com quem trabalho nesse ano, para amigos, alguns familiares. É uma forma de agradecimento.

RECORDAR AMÁLIA

Fale-me sobre o filme onde faz de Celeste Rodrigues...
Amália, o filme, é a primeira grande produção da Valentim de Carvalho Filmes. A realização coube a Carlos Coelho da Silva, que encabeçando uma grande equipa técnica e artística desenvolveu um projecto ímpar a nível cinematográfico, em Portugal. Houve um empenho de todos na evocação desta personalidade que representa Portugal em todo o mundo e o próprio filme é um exemplo da nossa 'portugalidade'. Penso que todos nós nos vamos rever nele. A mim coube-me a honrada tarefa de desempenhar a Celeste Rodrigues, uma das irmãs da Amália que seguiu também uma carreira no fado; fi-la com todo o respeito e admiração por esta senhora. Foi uma experiência muito forte que guardarei com todo o carinho para o resto da minha vida.
 
Gosta de fado?
Sim. Antes do filme, ouvia esporadicamente. Depois do filme, ouço as letras com mais profundidade e delicio-me com a sonoridade das vozes e das palavras ainda com mais intensidade. Apercebi-me também que há formas diferentes de cantar o fado. Claro que uma boa voz é importante mas, no fado, se não tiver raça, se não tiver alma, não nos toca da mesma maneira. Amália continha em si todas estas qualidades e por isso foi transcendente na sua arte.
 
Sente-se orgulhosa por entrar num filme que presta homenagem à Amália Rodrigues?
Absolutamente. Não só pela memória dela, mas também por ter integrado uma equipa com tanta qualidade. A personalidade desta grande senhora é fascinante e, tanto como actriz como espectadora, para mim é impossível ficar indiferente ao filme. Penso que vai encantar as pessoas; aliás, esse é um dos motes deste filme: encantar.
 

Texto: Carla <?xml:namespace prefix = st1 ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags" />Simone Costa; Fotos: Rui Costa; Maquilhagem de cabelos: Vanda Pimentel com produtos Maybelline L'Oréal Professionnel; Agradecimentos: Morgan (CascaisShopping, www.morgandetai.com) e Aldo (CascaisShopping, Fórum Almada, Maia Shopping, C.C. Colombo)<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

 

Siga a Revista VIP no Instagram