Rita Pereira
"Levei facadas de amigos nos últimos tempos"

Famosos

A actriz foi a São Tomé procurar estabilidade emocional.
“Foi uma viagem introspectiva.” Rita Pereira esteve durante alguns dias em São Tomé e Príncipe, a ganhar fôlego para protagonizar a novela Meu Amor, que estreia em breve na TVI, e para arrumar na cabeça (e no coração) algumas das polémicas que viveu nos últimos tempos.

Sex, 28/08/2009 - 00:00

“Foi uma viagem introspectiva.” Rita Pereira esteve durante alguns dias em São Tomé e Príncipe, a ganhar fôlego para protagonizar a novela MeuAmor, que estreia em breve na TVI, e para arrumar na cabeça (e no coração) algumas das polémicas que viveu nos últimos tempos. À VIP fala em exclusivo de Angélico, garante que “não há um único dia em que não me lembre dele”, dos pais e dos milhares de euros que tem, apesar de só ter 27 anos. Diz que é feliz, mas sabe que vai ter dificuldades em encontrar um homem “em quem confie”. 

VIP – Gostou de São Tomé e Príncipe?
Rita Pereira – Foi um sítio que sempre me despertou curiosidade, quer pelas paisagens, quer pelas pessoas da terra. À chegada, senti logo o impacto da pouca evolução da ilha, mas é um pormenor quando comparado com toda a beleza deste local. 

Que balanço faz das férias?
 
Estive muito comigo interiormente. Aproveitei o sol, o mar, o descanso e a paz que o Ilhéu das Rolas nos transmite. Foi uma viagem introspectiva. 

Como está interiormente?
 
Estou numa fase tranquila e pacífica. Estou feliz. Sinto-me com outro fôlego para encarar o novo projecto que aí vem. 

É a terceira vez consecutiva que é protagonista...
 
Não escondo o orgulho que sinto e até choro quando penso nisso. Ainda assim, não considero que esteja no topo, considero-me um embrião que pretende chegar lá um dia. Ao mesmo tempo, contracenar com pessoas como a Alexandra Lencastre ou a Margarida Marinho ajuda-me a aprender. 

Tem noção, que da sua geração de actores, poucos venceram?
 
Iria ser ignorante se dissesse que não. Há pessoas que não percebo porque é que não continuaram. 

Considera-se uma pessoa de sorte? Não considero que tenha uma estrelinha a brilhar por mim, mas admito que tenho sorte. Tenho consciência do meu profissionalismo, ouço muito os outros e procuro sempre corrigiros meus erros. 

A Rita mostra que sabe lidar com a fama. Gosta de ser conhecida?
 
Não posso dizer que não gosto da fama. Sei que valho por aquilo que faço e não apenas por dois palmos de cara, da mesma forma que tenho plena consciência que a fama é efémera e que pode subir à cabeça.

Alguma vez sentiu isso?
Nunca pensei chegar onde já cheguei, mas as coisas foram acontecendo. Sou um caso em mil. Todas as semanas faço capas de revistas, tenho contratos publicitários e sou protagonista de uma novela pela terceira vez, é normal que algum dia me tenha sentido a levantar voo, mas é aqui que entram os meus familiares. Eles nunca
me deixam tirar os pés da terra, são o meu suporte e quem me abre os olhos. 

Ultimamente tem-se queixado de muito assédio da Imprensa.
Eu compreendo que as pessoas queiram saber da minha vida, mas depois as tais fontes inventam histórias maquiavélicas e isso eu não admito. 

Está a falar das notícias da sua mãe?
Tudo o que foi escrito é mentira. Os meus pais são uma parte reservada da minha vida, são o meu refúgio. Separaram- se quando eu tinha 17 anos, mas sempre fomos muito unidos. Essas coisas só podem ter surgido da parte de gente maldosa. Há pessoas que me querem mal.

Isso assusta-a?

Quem inventa essas histórias sobre mim não é feliz e não me quer ver feliz. É compreensível. Eu, uma miúda de 27 anos, com o meu trabalho, as campanhas e as novelas, é natural que cause impressão a alguma gente. Já levei muitas facadas de amigos nestes últimos tempos. É um bocadinho o preço da fama. 

Qual é o preço da sua fama?
Não há nenhuma miúda da minha idade com os contratos que eu tenho. Não falo de valores, mas não escondo que são bastante elevados. Poderia ter o quádruplo dos contratos, mas não baixo cachets.

Ganha muito dinheiro?
Seria muito hipócrita se dis-sesse que não, mas prefiro dizer que ganho muito dinheiro para uma miúda de 27 que tem uma carreira de seis anos.

Falando de si: como está o seu coração?
Está bem, tranquilo e não está à procura de ninguém. Não estou preparada para amar ninguém de novo. Estou dedicada a mim e ao meu trabalho.

Isso não é uma fuga?
Se calhar, daqui a uns tempos, poderei já não querer estar assim, mas neste momento é isto que eu quero para mim.

Muito se tem falado acerca da Rita e do Angélico, mas o motivo pelo qual o namoro terminou nunca foi revelado.
Esse assunto está encerrado. Uma coisa é certa: quando a Imprensa disse que estávamos separados, nós ainda estávamos juntos. Mais: é mentiraque tivéssemos terminado o namoro e que mantivéssemos essa fachada só pelos contratos.

Afinal, quando é que o namoro terminou?
Garanto que acabou um pouco antes do dia em que o Angélico anunciou na televisão.

Foi acusada de traição...
Não sinto necessidade de provar nada. Tentaram pôr a culpa do final do namoro em alguém e sobrou para o meu lado, talvez devido ao facto de não me ter aberto tanto. Ele falou em directo e eu mantive o silêncio.

Teve um romance com Gonçalo Castel-Branco?
É um assunto que não tem fundamento e já chega de títulos associados a isso.

O que é que ficou da relação com o Angélico?
Não há um único dia que não me lembre dele. É normal, foram seis anos. Tenho presentes os bons momentos que vivemos juntos.

Mantêm contacto?
Não respondo a isso. Já aprendi até onde posso ir e o que posso contar.

Até onde pode ir?
Só conseguirei responder a isso quando tiver um novo namorado. Da mesma forma que tenho noção que só quando assumirmos novas relações é que vão deixar de nos associar.

Deixou de acreditar no amor? 
Claro que não. Tenho muito tempo para o amor, mas não agora. Sei que no dia em que eu quiser conquistar alguém vou conseguir. Porém, vai ser difícil encontrar alguém em quem eu confie e que esteja ao lado da Rita e não da Rita Pereira.

Como é a Rita?
É muito teimosa e sonhadora. Acredito muito nas pessoas e  talvez por isso tenha levado bofetadas  sem mão. Isso fez com que me tornasse mais introvertida. Em família sou quem anima toda a gente. No entanto, também tenho o lado emotivo e sensível, que me faz chorar facilmente.

Faz planos para o futuro?
Tenho 27 anos e uma grande magia. Quero apostar numa carreira internacional, mas tenho medo de me aperceber que não fui capaz disso; tenho medo de um dia, quando os meus familiares partirem, sentir que passei pouco tempo com eles.

Texto: Micaela Neves; Fotos: Luís Correia; Agradecimentos: STP Airways e Pestana Hotels & Resorts.

Siga a Revista VIP no Instagram