Julgamento Rosa Grilo
Inspetor afirma: «Aquilo não era um comportamento normal»

Nacional

Esta terça-feira, 22 de outubro, o coordenador da PJ, Pedro Maia, explicou os indícios que o levaram a suspeitar de António Joaquim e Rosa Grilo

Ter, 22/10/2019 - 17:20

O coordenador da PJ, Pedro Maia, que acompanhou as investigações à morte de Luís Grilo prestou depoimento na sétima sessão do julgamento, esta terça-feira, 22 de outubro, no Tribunal de Loures, e explicou os indícios que o levaram a PJ a suspeitar de António Joaquim e Rosa Grilo.

Inspetor pediu os dados de tráfego de Rosa Grilo e do triatleta

Pedro Maia começou por referir que estranhou a «tranquilidade de Rosa Grilo durante o desaparecimento do marido». «Trabalho nesta área há 20 anos e aquilo não era um comportamento normal.»

Em função do comportamento da arguida, o inspetor pediu os dados de tráfego de Rosa Grilo e do triatleta para perceber que contactos foram feitos nos dias antes do desaparecimento. O coordenador da PJ diz que se deparou com um «volume grande de contactos feitos entre Rosa e um número que não fazia parte da lista de contactos de Luís Grilo».

 

Leia mais aqui

 

Fotos: Redes Sociais 

Siga a Revista VIP no Instagram