Henrique Gouveia e Melo
"O negacionismo assustou-o?": vice-Almirante abre o coração a Daniel Oliveira

Nacional

Henrique Gouveia e Melo foi o convidado de Daniel Oliveira no "Alta Definição" deste sábado, 4 de dezembro, na SIC.

Dom, 05/12/2021 - 11:00

Henrique Gouveia e Melo foi o convidado de Daniel Oliveira no programa "Alta Definição" que foi para o ar neste sábado, 4 de dezembro, na SIC. Ao longo da conversa, o ex-coordenador da task force do processo de vacinação contra a covid-19 falou sobre a missão que liderou entre fevereiro e setembro deste ano. O assunto "negacionistas" não foi exceção. 

"O negacionismo assustou-o?", pergunta-lhe o apresentador do formato da estação de Paço de Arcos. "Assusta-me, mas mais pelo obscurantismo que está por trás do negacionismo. Como é que nós, no séc. XXI, com tanta informação, conseguimos acreditar em coisas, para não usar um adjetivo, tão exóticas?. Como por exemplo que a Terra é plana. Ou que alguém nos vai injetar um chip da Microsoft, quando nos está a dar uma injeção?", começa por responder-lhe o vice-Almirante. 

O convidado de Daniel Oliveira confessa que "esse tipo de informação e de crenças" lhe mete "receio". "Porque podem ser manipuladas para coisas muito piores. Extremismos religiosos, políticos. Mete-me algum receio, enquanto cidadão. O cidadão lógico, normalmente, é um bom cidadão. O cidadão ilógico, é um cidadão perigoso, porque pode ir por muitos caminhos", continua. 

"A nossa insatisfação resulta das nossas ações"

Mas para Henrique Gouveia e Melo esta questão resume-se a um fator. "Vamos procurar combater a nossa insatisfação com coisas diferentes. Há quase que uma preguiça intelectual e até física de percebermos que a nossa insatisfação resulta das nossas ações. Então vamos procurar explicação nas ações dos outros, tentando culpabilizar os outros, focar a nossa atenção em coisas negativas", comenta. 

O ex-coordenador da task force do processo de vacinação contra a covid-19 foi chamado, por diversas vezes, de "assassino" e "genocida". Algo que o deixava "afetado". "Não é uma linguagem que estou habituado a ouvir... mexe comigo. Tenho origens judaicas, longínquas, como muitos dos portugueses, e quando falam em genocídio... estas coisas mexem", confessa. 

Por fim, o vice-Almirante revelou que gostava de ser "lembrado como uma pessoa que conseguiu fazer um coisa em conjunto com outras pessoas". 

Veja as fotos na nossa galeria. 

Texto: Ivan Silva; fotos: divulgação SIC e redes sociais  

 

 

 

Siga a Revista VIP no Instagram