Duarte Siopa fala sobre o filho adotado
«Quando via um caixote do lixo, a primeira coisa que fazia era ir lá e comer»

Nacional

A história de Duarte Siopa é daquelas que impressiona. Há 25 anos, o comunicador foi o primeiro português a fazer uma adoção singular. Diogo, uma criança de dois anos, passou de menino de rua a filho do apresentador.

Qua, 15/05/2019 - 20:05

Duarte Siopa, há 25 anos, trabalhava na RTP, como jornalista, quando o inesperado aconteceu. Era um dia como tantos outros em que o apresentador estava numa sala de reuniões, a debater questões laborais. «Nós estávamos numa reunião e a nossa assistente perguntou: 'Alguém pode atender esta chamada?'. Eu vou ao telefone e vejo que é uma senhora muito indignada, porque estão muitos miúdos perto de Lisboa que foram abandonados. A mãe era prostituta, toxicodependente e não queria que os filhos estivesse lá em casa. Não abria a porta aos miúdos», começou por contar no programa de Tânia Ribas de Oliveira, na tarde desta terça-feira, dia 14 de maio.

«Fiquei muito indignado com a situação. Fui lá, pensando que ia fazer uma reportagem, chego lá e não vejo ninguém. Falei com a senhora e com outras pessoas. Há uma senhora que chega ao pé de mim e me conta: 'Sabe que há uma criança aqui que anda pela mão de outro irmão mais velho. Esse irmão ajuda-o a subir para os contentores do lixo, ele come dos contentores do lixo e, quando apanha as portas dos prédios abertas, dorme no vão das escadas. A criança tem dois anos», explicou.

As novidades não tardaram a chegar e parecia estar destinado que Diogo viesse a pertencer à vida de Duarte. «Quinta-feira, estou em casa e toca o telefone. 'Duarte Siopa, lembra-se daquela criança? É para dizer que está em minha casa'. Estava na casa da senhora a comer. Eu cheguei lá e não me ligou nenhuma. Eu vou ao centro comercial comprar umas roupas, pedi à senhora para aguentar o miúdo até ao outro dia e 'eu prometo que amanhã vem cá uma assistente social'.»

«Queres vir comigo para casa?»

Duarte Siopa tentou conquistar o menino, mas só conseguiu resposta com uma pergunta: «Queres vir comigo para casa?». 

«Perguntei: 'Queres vir comigo comprar roupas?' e nada. Perguntei: 'Queres vir comigo comprar brinquedos?' e nada. Não me ligava nenhuma. Perguntei-lhe: 'Queres vir comigo para a minha casa?'. Uma pergunta que qualquer pessoa faz e ele responde: 'Isso é que eu queria'. Estas são as palavras que não me vão sair mais da cabeça. Fez-me muita impressão.»

O apresentador foi avisado que tinha «de ir por vias legais» para adotar realmente Diogo e começou a tratar de tudo para que fosse possível tornar-se pai do menino. 

Dina Aguiar soube da situação e juntou-se a Duarte logo no dia em que Diogo foi com o apresentador para casa. «A Dina Aguiar chegou lá, construimos-lhe uma cama, a Dina levou alguns brinquedos. No outro dia levantei-me, ele teve de cortar o cabelo, ele tinha muitos piolhos.»

Os pais do rosto da CMTV ficaram surpresos com a situação e pensaram que o apresentador tinha engravidado uma mulher. O choque inicial acabou por se tornar um amor sem fim e acabaram por mimar o neto «como um verdadeiro filho».

«O Diogo estava habituado a ser selvagem»

Os primeiros tempos não foram fáceis. «O Diogo dormia numa cama encostada à minha de mão dada. E eu puxava a mão e ele chorava. Tinha medo de ficar sozinho», contou Duarte Siopa.

Em criança, «o Diogo tinha determinados vícios». «Não queria vestir cuecas, meias, não queria, sapatos, não queria. Quando via um caixote do lixo, a primeira coisa que fazia era ir lá e comer. Os caixotes do lixo foram todos retirados lá de casa, era o normal. Houve duas ou três vezes que eu cheguei a ver cocó no canto da casa. O Diogo estava habituado a ser selvagem», explica. 
O sentimento de pai não invadiu logo o apresentador. «Perdoem-me dizer isto, mas eu comecei por um sentimento de pena. E depois comecei a sentir que tinha de dar uma proteção àquela criança. Depois tive algumas situações complicadas no hospital e só pensava: 'O que é que eu fui fazer à minha vida?'. Era para toda a vida.»

«Uma pessoa que acolhe uma criança sem ter nada a ver com ela é um heró.»
Após esta conversa intensa, Diogo acabou por surpreender o pai ao aparecer no estúdio. O menino de dois anos que Duarte acolheu tem hoje 28 e «já vive com a namorada». A emoção tomou conta do apresentador que se abraçou ao filho sem parar.

Mais calmos, ambos sentaram-se ao lado de Tânia Ribas de Oliveira e contaram como foi a vida de Diogo desde a adoção. 

«Na escola, diziam coisas [por só ter um pai e ser adotado]. Sempre fui uma criança muito resolvida. Eu chegava à escola e respondia: 'Eu só tenho um pai, mas tenho o mesmo amor do que tu em casa», contou Diogo, que logo recebeu uma aplauso. 

E a conversa não terminou sem elogios sentidos do filho ao pai. «O colégio militar deu-nos o respeito. A nível de educação, foi o meu pai que me criou. Este senhor é o meu ídolo. Uma pessoa que acolhe uma criança sem ter nada a ver com ela é um herói.»

Texto: Mariana de Almeida; Fotos: Impala e reprodução Instagram

Siga a Revista VIP no Instagram