Diogo Martins e a morte inesperada da mãe
Ator volta a viver com o pai: «Não vou continuar bem durante muito tempo»

Nacional

Diogo Martins sofreu a dolorosa perda da mãe há cerca de seis meses. À conversa com a VIP, o ator, que está sem novos projetos, realçou que este é o momento mais difícil da sua vida.

Dom, 02/06/2019 - 13:53

Aos 27 anos, Diogo Martins atravessa aquele que considera o momento mais difícil da sua vida. A mãe, Luísa, morreu, aos 59 anos, a uma semana do último natal, de forma totalmente inesperada e o ator ainda está a tentar superar a dor… A VIP cruzou-se com o Alex de Alma e Coração – ainda em exibição na SIC –,  esta sexta-feira, dia 31 de maio, no cocktail de despedida do elenco da trama, e esteve à conversa com o ator.

Sobre a novela, Diogo só lamenta o facto de o percurso da sua personagem ter sido «um bocadinho curto». «Mas foi realmente bom, cruzei-me com um elenco com o qual nunca tinha contracenado, para além do Vítor [Silva Costa], portanto o Miguel [Damião] e a Cristina [Homem de Melo] foram uma novidade para mim, foram pessoas com quem eu amei contracenar e que vou levar para a vida», elogiou com colegas de contracena.

Porém, nem tudo correu bem e, a meio das gravações da trama, Diogo sofreu um verdadeiro contratempo: a morte da mãe… Com a delicadeza extra que o momento delicado exige, surgiu a questão inevitável: como é que o ator conseguiu gerir uma perda tão importante com o trabalho e a necessidade de continuar a gravar? «Foi, grande parte, com ajuda da produção, dos meus colegas, foi também um projeto que me vai ficar marcado na memória por esse acontecimento, mas é lógico que eles me deram todo o apoio e foram, sem dúvida, fundamentais para que eu conseguisse continuar a gravar», esclareceu, sem fugir ao assunto.

A namorada, a modelo Maria Gomes Andrade, é quem tem sido o maior apoio. «Sim, sim, sem dúvida nenhuma. Tem sido a pessoa que mais me ajuda nos dias em que eu não consigo estar bem. Como é lógico, não vou continuar bem durante muito tempo e ela tem sido fundamental, para além do meu pai, que precisa realmente de muita ajuda neste momento, portanto estou a fazer de tudo para que ele fiquei bem também», confidenciou, ainda, fazendo o ponto da situação.

«Os dias em casa são massacrantes»

Agora que as gravações de Alma e Coração chegaram ao fim, o ator espera por novos convites. Sem qualquer projeto em vista, Diogo conta o quanto é urgente regressar ao plano de trabalhos. Da trama, que acaba de dizer adeus, não quis ficar com nenhum objeto que lhe lembrasse a personagem que interpretou. «Também não me lembrei. Passou muito rápido, foi tudo muito rápido e depois, com tudo o que aconteceu, parece que me perdi um pouco... É normal que a cabeça depois também não pense nessas coisas, não esteja cá. Portanto, não pensei nisso, não levei nada…» 

Apto para se lançar para um novo desafio, aguarda pelo dia em que será, novamente, convidado para regressar à ficção. «Acho que essa é realmente a força que posso ter, é isso que eu preciso: estar a trabalhar e estar ocupado, porque os dias em casa são massacrantes e eu sinto que quanto mais fico em casa, mais penso e o objetivo é não pensar», desabafa. «Pelo menos, nesta fase... Obviamente que vou pensar nisto para o resto da minha vida, mas agora, nesta fase, principalmente, o objetivo é estar tranquilo de ideias», sublinha, ainda.

«Foi e é o momento mais doloroso da minha vida»

É que ter perdido a mãe, sobretudo de forma inesperada, está a ser muito doloroso… «Foi e é, até agora, o momento mais doloroso da minha vida e foi algo inesperado. Às vezes, quando as pessoas estão doentes, é lógico que nos preparamos um pouquinho mais e custa sempre… A dor da perda é inevitável, mas é lógico que, neste caso, custou muito mais, porque foi de um dia para o outro, de repente, ninguém estava à espera que isso acontecesse», lamenta, ao mesmo tempo em que conta como recebeu a triste notícia. 

«Estava a trabalhar e foram prontamente ajudar-me a resolver a situação e ainda bem que, por um lado, eu estava lá e que não estava em casa sozinho. Eles deram-me todo o apoio necessário no dia e daí para a frente também, portanto, foram excecionais», diz, referindo-se à equipa técnica de Alma e Coração. «Eles deram-me uns dias, a produção foi incrível comigo e percebeu que é um momento muito delicado e que necessitava dessa atenção também. Eles foram muito bons comigo e deram-me o tempo que fosse necessário, quando eu estivesse restabelecido voltaria então a gravar e foi isso que aconteceu.»

Pouco depois, o ator autoforçou-se a regressar à «normalidade». «As coisas, depois, naturalmente voltaram a acontecer e ajudou-me também esse processo.  Voltar a trabalhar e voltar a estar ativo, e não pensar, foi importante.

O apoio ao pai e o regresso a casa 

Agora todos os esforços de Diogo Martins estão concentrados na estabilidade do pai. «É a minha grande missão agora. Todos nós estamos a sofrer. O meu irmão, eu e o meu pai…. Mas anos com a minha mãe, e de um momento para o outro perder essa companhia, perder o amor que tinha por ela, de um dia para o outro, é muito difícil conseguir restabelecer-se. Ele vai sofrer sempre muito mais do que eu, porque eu já nem vivia com os meus pais, neste momento estou a dar-lhe a maior ajuda possível para que ele consiga estar bem.»

Por isso mesmo, voltou para casa dos pais, de onde já tinha saído para viver sozinho. «Neste momento estou com o meu pai, sim, porque acho que ele precisa e eu preciso também de estar com ele, porque senti que a vida é mesmo passageira e nós temos noção disso, mas só damos valor quando as coisas acontecem», refere, com a voz da experiência. «Sinto mesmo que é importante estarmos com quem gostamos. Acima de tudo, vou ter o maior tempo para o meu pai, como tinha antes, mas como temos a nossa vida sempre muito ocupada, nem sempre conseguimos estar... Eu estive uns dias antes com a minha mãe e foi ótimo eu ter feito isso, porque senão seria muito pior», conta, avançando que sentiria alguma culpa se não tivesse aproveitado da melhor forma aqueles que, sem saber, seriam os últimos dias com a mãe.

As prioridades foram, especialmente por esse motivo, redefinidas. «Agora é aproveitar os momentos que tenho para estar com o meu pai, para estar com o meu sobrinho, que também é uma força muito grande que apareceu nas nossas vidas. É focarmo-nos nessas boas energias», salienta, realçando que vive um dia de cada vez.

«Estou a viver uma fase maravilhosa no amor»

Apesar de tudo, Diogo Martins consegue sorrir ao falar da namorada, com quem vive um romance há cerca de um ano. À VIP, o ator desmanchou-se em elogios à modelo, porém, quando ouve a palavra «casamento», atira-a para segundo plano, com alguns «nãos» consecutivos. «Estou realmente bem, estou a viver uma fase maravilhosa no amor, nunca senti isto, nunca vivi uma relação tão intensa como estou a viver e estou realmente bem nesse sentido», assegura-nos. «Ela é muito gira, mas isso não é o mais importante. Prova-me, a cada dia mais, que é muito minha amiga e isso para mim é muito mais importante do que ser gira, mas é muito gira, mesmo.»

Texto: Tânia Cabral; Fotos: Marco Fonseca e Reprodução Instagram

Siga a Revista VIP no Instagram