Caso Valentina
Estado não paga consultas no psicólogo a irmão que assistiu ao crime

Nacional

O irmão afetivo de Valentina, que vivia com a menina e que foi determinante para o esclarecimento do caso, não está incluído no apoio que o Estado previu, durante a pandemia, para apoiar os pais que tinham de cuidar dos filhos por ter 12 anos

Sex, 03/07/2020 - 19:47

O irmão afetivo de Valentina, que vivia com a menina e que foi determinante para o esclarecimento do caso, não está incluído no apoio que o Estado previu, durante a pandemia, para apoiar os pais que tinham de cuidar dos filhos por ter 12 anos, escreve o Correio da Manhã.


Segundo a mesma publicação, o menino continua em estado de choque, tendo regressado a casa do pai biológico, mas não recebe qualquer ajuda do Estado. Tem de ser o progenitor a pagar as consultas no psicólogo. «O pai pediu duas vezes baixa para apoiar o filho. Um pedido foi de 15 dias, o segundo de 30. Não recebeu, foi rejeitado e ficou sem ordenado. Mas o menino precisava de um acompanhamento permanente, estava muito assustado», revelou um familiar ao Correio da Manhã.

Recorde-se que o menino assistiu ao crime. Viu a pequena Valentina ser agredida e chegou mesmo a ser ameaçado para ficar calado, senão ficaria sem as irmãs mais novas. Foi também o menino quem denunciou a Sandro e Márcia. 

 

Continue a ler este artigo aqui 

Siga a Revista VIP no Instagram