“Conseguiu criar um património material, mas sobretudo um património afetivo com os jogadores que representa”, sintetiza o jornalista Nuno Luz sobre o empresário Jorge Mendes, vencedor por duas vezes do prémio de melhor agente de futebol do mundo. Na reportagem Jorge Mendes – Super Agente, transmitida na SIC, na terça-feira, dia 22 de maio, o homem discreto que está por detrás das carreiras de alguns dos melhores futebolistas do mundo abre as portas da sua casa e da sua alma.

Nasceu em 1966 no seio de uma família humilde, em Lisboa, no bairro da Petrogal, onde deu os primeiros toques na bola. Depois de alguns anos de uma carreira mediana como futebolista, encantou-se pelo mundo dos negócios. Aos 20 anos foi para Viana do Castelo ajudar o irmão e abriu um clube de vídeo, o seu primeiro investimento. Em 1991, preferiu assinar pelo Lanheses, da terceira divisão, ao Varzim, da primeira, porque lhe entregavam a concessão da publicidade no campo. Em 1996, depois de investir em discotecas, assinava a primeira transferência por um jogador. “Se calhar, se tivesse sido um fenómeno... mas era um jogadorzinho”, diz humildemente o empresário no documentário de 70 minutos que retrata o seu percurso. Quinze anos depois é dono da maior agência de jogadores do mundo. A Gestifute tem uma carteira de jogadores avaliada em 536 milhões de euros e foi responsável por algumas das maiores transferências, como a de Cristiano Ronaldo. José Mourinho, Pinto da Costa, Nani, Pepe, Ricardo Carvalho ou Costinha são alguns dos testemunhos na reportagem.

Texto: Elizabete Agostinho; Fotos: Impala e DR