Desde que se tornou pública a morte de Manoel de Oliveira, aos 106 anos, que várias figuras públicas têm lamentado esta perda :

 

 

Assunção Esteves, Presidente da Assembleia da República: “Manoel de Oliveira deixa-nos o sublime da sua arte, uma arte que a todos nos libertava na sua infinita perfeição. Como se o cinema que criou, por todos reconhecido, fosse a memória da nossa própria transcendência e o exemplo para a projetarmos nas coisas que fazemos”.

Cavaco Silva, Presidente da República: “Foi com profundo pesar que tomei conhecimento da morte de Manoel de Oliveira, símbolo maior do cinema português no mundo e um dos nomes mais significativos na história da 7ª Arte. Portugal perdeu um dos maiores vultos da sua cultura contemporânea que muito contribuiu para a projeção internacional do país”

Catarina Furtado: "Partiu um dos maiores realizadores de sempre. Foi hoje e tinha 106 anos. Ainda realizava, exemplo único no Mundo. Levou o seu cinema de autor além fronteiras e com ele, Portugal. Tão único como a sua forma de dirigir cada filme. Lembrarei sempre a pequena participação que fiz em Non', ou A Vã Glória de Mandar" , uma honra."

 

 

Cláudia Vieira: “Obrigada Manoel de Oliveira, RIP”

 

 

Pedro Carvalho: “RIP Manoel de Oliveira, 'Prefiro o paraíso pelo clima e o inferno pelas companhias'. Adeus a um dos mestres do Cinema Português.

 

Carminho: “Manoel de Olivceira sempre”

 

Rita Ferro Rodrigues: “Morre aos 106 anos. Mas é verdadeiramente imortal e eterno. Uma vénia e um aplauso para o mestre.” 

Mariana Monteiro: “Grande Senhor !  Um exemplo de Vida ! Cineasta até ao fim, diz-se que foi o realizador mais velho do mundo , em actividade .  Não via na idade , impeditivo para os seus sonhos , nem para os seus filmes ...  Uma sábia lição para todos nós, que precisamos perceber que os limites estão em nós e que portanto podem ser quebrados ... Grata também pelo legado de filmes que nos deixou”

Cuca Roseta: "O verdadeiro criador é inquieto. Inquietação é vida"

Raquel Strada: "São muitas as razões que me dão um imenso orgulho em ser portuguesa. O orgulho nunca morre. Manoel de Oliveira não morreu.  Vai só ali e já vem"

Ana Rita Clara: “Hoje o dia termina mais triste. Com sabor a perda, a saudade. Mas ficará para sempre connosco Manoel de Oliveira. Até porque seremos sempre mais portugueses com aquilo que nos entregou.”

 
Dalila Carmo: “E no dia dos SOPHIAS, os prémios da nossa Academia Portuguesa de Cinema, sabe se da partida do nosso imortal Manoel de Oliveira, o homem que respirou o cinema toda a sua longa vida. Morre aos 106 anos o realizador que filmou até ao fim, que gerou amores e ódios mas manteve a coerência independentemente de tudo. Morreu o "mestre" e acima de tudo, para mim, um MILAGRE DA VIDA
Em "Vale Abrãao" tive oportunidade de filmar com ele e guardo a imagem da sua imensa vitalidade, do seu incansável prazer de filmar.
Paz à sua alma. E que continue a viver para sempre através da sua obra”

Foto: Impala