Nacional

Marta Melro
Fala sobre a relação que vive com o namorado

"Somos mais fortes juntos"

Juntos há três anos, Marta Melro e Filipe Cunha são um casal feliz e apaixonado e nem o facto de viverem juntos há dois anos faz esmorecer a chama. Antes pelo contrário. “Vivermos juntos é só a cereja no topo do bolo. Não imagino a minha vida sem ser a partilhá-la 24 horas por dia com ele. Acho que todos os casais, antes de casar, deviam viver juntos. Não faz sentido nenhum casar sem viver junto, porque só ficamos a conhecer uma pessoa quando vivemos com ela. E para casar temos de conhecer muito bem a outra pessoa. Eu conheço-o muito bem. Nós antecipamos as ironias um do outro. Somos os dois muito gozões”, ri a atriz, que adianta que já se sentem casados.

Então, trocar alianças está fora questão? “Já falámos em casar, mas na brincadeira. Ainda no ano passado estivemos numa de ‘vamos casar para a semana na taberna dos nossos amigos’. E estivemos mesmo para o fazer, mas, entretanto, tivemos de trabalhar e não deu. Portanto, não é uma coisa que nos preocupe. Tenho a certeza que, se o fizermos, não será com a pompa e circunstância das cerimónias tradicionais. Será uma coisa entre amigos, descontraída”, vaticina.

O que interessa é que sejam felizes. Por isso, até a família irá compreender que não assinem um papel. “As nossas famílias, apesar de serem muito protetoras, vivem felizes e tranquilas com a nossa forma de viver e com a nossa relação. Eles iriam apenas perguntar se estávamos felizes”, refere.

O casal aproveitou o Carnaval para fazer um fim de semana romântico no Funchal. Afinal, é destes momentos a dois que é feita uma relação. E viajar é um dos gostos que têm em comum. Apesar de Marta salientar que os dois são pessoas muito diferentes, até na forma como vivem a casa, afirma: “Somos o equilíbrio um do outro em todos os sentidos, apesar de sermos muito diferentes. Sou obcecada com a organização. Eu é que não lido bem com a desorganização dele. Ele é bastante distraído e é capaz de ir deixando as coisas em cima das cadeiras. Aguento uns dias, mas acabo sempre por ter de ir organizar tudo direitinho, arrumado por cores e tipos. Mesmo assim, é ótimo viver com ele”, solta com um sorriso, adiantando que o namorado “é muito calmo” e que ela “é mais stressada”.

Ou seja, feitas as contas, “colmatamos as fraquezas um do outro. Somos mais fortes juntos”. Até quando se trata de questões profissionais: “O Filipe apoia-me em tudo e é o meu maior fã. Ele tenta não dar demasiada importância ao meu trabalho, porque conhecemo-nos há muitos anos, antes de eu ser atriz”, recorda.

O fotógrafo não acompanha as novelas que a namorada grava, mas faz questão de a ajudar a decorar os textos. ”O meu trabalho, entre nós, é vivido nos bastidores. Ele ajuda-me a estudar os textos. De resto, não é, por exemplo, um espetador assíduo de novela. Mais facilmente vai ver-me ao teatro.”

Curiosamente, os dois já eram amigos antes de serem namorados, mas foi depois de trabalharem juntos que se apaixonaram. “Apanhou-nos de surpresa. Não foi um amor à primeira vista. Um dia, cruzámos olhares e sentimos que, se calhar, andávamos a perder tempo há já uma data de tempo. Estávamos os dois solteiros e a trabalhar juntos num filme de uns amigos. Foi um bocadinho assustador”, remata, comprovando que, às vezes, o que é assustador não é necessariamente mau.

Texto: Sónia Salgueiro Silva; Fotos: Ricardo Sousa Costa